SYMPHONIE DE COLOGNE OPUS I UNISEX by PERFUMART BRAZIL (in portuguese)

SYMPHONIE DE COLOGNE OPUS I UNISEX, DE NADIA Z

Perfumart - resenha do perfume Nadia Z - Symphonie de Cologne Opus I

A fragrância de Symphonie de Cologne Opus I foi criada, para ambos os gêneros, em 2017. Ela faz parte da coleção chamada Ecosystems – Freshwater e retrata um cochilo no verde, um momento privilegiado de aproveitar a natureza.

O conceito criativo trabalhou com uma verdadeira imersão em tons de verde, desde o cheiro das ervas aromáticas às samambaias que descansam à beira dos rios, com suas folhas jovens buscando luz e o cheiro característico da clorofila. O solo sedento aguardando a chegada das chuvas, um rio que nascerá em busca do mar.

A fragrância de Symphonie de Cologne Opus I possui notas de Shiso japonês, manjericão santo e folhas de Betel, formando um acorde verde e fresco. Notas de lavanda, cedro e ambergris formam um acorde inspirado nas colônias clássicas e se encontram com notas de Mitti Attar e açafrão. O Copal brasileiro, a andiroba e o incenso Green Hojari, obtido em Omã, formam os acordes minerais e terrosos. O óleo de Ximenia serve de base para a composição.

Acho válido explicar um pouco sobre algumas notas, pois ajuda a ilustrar o resultado obtido na fragrância. A Shiso (também conhecida como Perila) pertence à família das mentas. Sua essência é verde e cheia de nuances doces e mentoladas; a Betel (Piper Betle) é da família das pimenteiras e seu óleo essencial tem forte teor aromático; o Mitti Attar, também conhecido como Baked Earth, é uma essência aromática, muito tradicional na Índia, obtida da terra cozida hidrodestilada em sândalo cremoso de alta qualidade; o Copal brasileiro é aquilo que nós conhecemos como Breu Branco. É uma resina muito utilizada pelos xamãs da Amazônia para rituais de purificação. Além de funcionar como um agente fixador natural, quando queimado como incenso, lembra o âmbar; a andiroba (Carapa Guianensis) produz um óleo viscoso e de nuances amargas; o incenso Green Hojari é um tipo de olíbano (Frankincense). Em Omã, é conhecido como Luban Zakar e é uma das mais raras qualidades da espécie, pois tem um cheiro cítrico-mentolado; a Ximenia é conhecida como ameixa azeda africana e seu óleo tem consistência de mel, que ajuda a prolongar a duração do perfume sobre a pele.

Symphonie de Cologne Opus I é uma das melhores surpresas que tive nos últimos tempos. É um perfume verde e incensado, mas cheio de frescor. Aliás, quem gosta de fragrâncias esfumaçadas e cheias de resinas irá encontrar um imenso leque de opções nas criações da perfumista Nadia Zuodar. E desta vez, ela nos leva para dentro de uma floresta úmida e tropical, nada sombria. Na verdade, está mais para floresta encantada.

Symphonie de Cologne Opus I traz um rico cheiro de samambaias que, na perfumaria, consegue transmitir os elementos da floresta e, por esta razão, simbolizam a família fougère. Mas aqui, a saída verde é intensa e refrescante (graças à nota de Shiso), ao mesmo tempo em que nuances terrosas e coriáceas (do açafrão) se mesclam às diversas nuances de incenso, que exalam durante a evolução. Não há, em momento algum, excesso de nuances musgosas ou extremamente amadeiradas, que são comuns em criações que retratam esse cenário. Tem boa performance e funciona bem em várias ocasiões. Fragrância encantadora!