OMUMGORWA WALNUT DAY UNISEXE by PERFUMART BRAZIL (in portuguese)

OMUMGORWA WALNUT DAY UNISEXE, DE NADIA Z

Perfumart - resenha do perfume Nadia Z - Omumgorwa Walnut Day

A fragrância de Omumgorwa Walnut foi criada em 2015 em duas versões, porém, desta vez, elas não foram separadas por gêneros, mas por ocasiões de uso: uma para o dia (Day) e outra para a noite (Night). Ambas foram concebidas como unissex e fazem parte da coleção Ecosystems – Sahara & Arabia Deserts e retratam o espírito nômade daqueles que começam o dia em um local e terminam em outro.

O conceito criativo tenta retratar as festividades dos palácios espalhados pelo deserto da Arábia, as inúmeras especiarias, os incensos, as danças e um nascer do sol de tirar o fôlego.

A fragrância de Omumgorwa Walnut Day possui notas de resinas raras da Namíbia (Omumgorwa e Omumbiri) acorde floral de lírio, ambrette e Champaca, madeiras nobres, café e especiarias, além de óleos indígenas (Ximenia e Sapote).

Para quem desconhece alguns desses ingredientes, deixo aqui breves explicações: a Omumgorwa é uma resina que só se forma depois que uma espécie de árvore morre naturalmente (por isso, a importância da colheita sustentável). Ela tem cheiro de tâmaras maduras e tende a ganhar nuances de caramelo, com o passar dos anos; a Omumbiri é única do local e serve de perfume para o povo Himba. Seu cheiro parece o da mirra, mas possui um frescor terroso e cítrico e não há nada similar no mercado; a Champaca é um tipo de magnólia, porém mais rara e com perfume mais forte. Por esta razão, seu absoluto vem sendo muito apreciado na fabricação de fragrâncias mais nobres; a Ximenia é conhecida como ameixa azeda africana e seu óleo tem consistência de mel e ajuda a prolongar a duração do perfume e o Sapote (também conhecido como Mamey) é um fruto original da América Central e Cuba, muito utilizado para fabricação de marmeladas e seu óleo é obtido da semente prensada.

Na pele, Omumgorwa Walnut Day é oriental, sensual e viciante. Embora exista um acorde floral na composição, as resinas e o café sobressaem, desde o início. O cheiro de tâmaras doces – resultado do ingrediente-chave que dá o nome ao perfume – é incrível. Nesta fragrância, ele ainda é mais inebriante do que em Camino de Azahar Oro Man, embora ambas sigam um caminho olfativo muito interligado e cheio de facetas que enaltecem os perfumes do Oriente Médio.

Nesta versão diurna, o equilíbrio vem do teor cítrico da resina de Omumbiri, que parece um incenso fresco, queimando ao fundo e exalando por toda a evolução. A projeção é alta na primeira hora e depois a fragrância acalma. Em termos de duração, passa das seis horas na minha pele. Sem dúvidas, um perfume para quem curte o mistério do mundo árabe e o cheiro de incensos.